outubro 2016

A afirmação que está virando a palavra de ordem mais nefasta deste início de século é, também, a mais sedutora: O IMPORTANTE É SER FELIZ.

A felicidade elevada ao posto de sentido da vida produz, no mínimo, dois efeitos gravíssimos:

  1. aniquila com o sentimento da culpa. Nossos erros se tornam auto justificáveis, porque o importante mesmo é ser feliz.
  2. relativiza o bem e o mal. Porque o importante é ser feliz.

“O importante é ser feliz” NÃO é mote exclusivo da mídia. Ele está sendo usado, também, em livros de auto ajuda, em linhas/casas de iniciação espiritual e por várias pseudo-religiões. É a sedução cujo alvo é o indivíduo que tem dificuldade em aceitar seus erros, sentir-se culpado e, a partir daí, não mais cometê-lo, por conscientização.

Nota: Não confudir com o “Don’t worry, be happy” do Bobby McFerrin, que era só um “na merda, relaxe”.